Postado em 15/10/2019 00:00

Duas toneladas de recicláveis coletados nas Ecoestações durante a Trasladação e o Círio

 

 

Duas toneladas de recicláveis foram coletadas nas 14 Ecoestações, distribuídas nas ruas transversais das procissões da Trasladação e do Círio de Nazaré nos últimos sábado e domingo. O resultado foi celebrado pelos cerca de 80 voluntários envolvidos no projeto Círio Sustentável. O Círio Sustentável, iniciativa de incentivo ao reforço da coleta de recicláveis durante as duas maiores procissões do Círio de Nazaré, foi operacionalizado pela Guamá Tratamento de Resíduos – que opera o aterro sanitário de Marituba, o Instituto Manguezal e a Temple, agência de comunicação, com as parcerias da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), Instituto Federal do Pará (IFPA), Rede Recicla Pará, CataPará, AnasConsul Ambiental, Laboratório da Cidade, Geamaz-UFPA, Gemas-UFPA com apoio da Secretaria Municipal de Saneamento, Prodepa, Awa OnLine e JK Auto-Serviço.

 

 

Daniela Pereira, representante da Rede ReciclaPará, comenta que os catadores ficaram muito satisfeitos com o apoio das Ecoestações, pois sentiram-se valorizados com o incremento da arrecadação nas transversais. “É muito material que fica na lateral e eles não tinham braço para coletar. Com o apoio dos voluntários, facilitou a arrecadação”, comenta.

Engajamento - A devota Maria Regina Barreto, 56, caminhou com o copinho na bolsa para depositar na Ecoestação 3, no canteiro da Assis de Vasconcelos. “Foi uma ação louvável para evitar o acúmulo de resíduos nas ruas”, declarou. Para o catador Roselino Ribeiro, da Associação de Catadores de Coleta Seletiva de Belém (ACCSB), que ficou na Ecoestação 7, na travessa Benjamin Constant, próximo da avenida Nazaré, o projeto contribuiu para ampliar mais sua arrecadação de recicláveis. “Na prática, esse projeto funcionou. Conseguimos retirar mais recicláveis perto do nosso ponto. Foi uma grande melhoria. Esperamos que tenha mais pontos ano que vem”, declarou.

 

 

A iniciativa do projeto Círio Sustentável foi realizada para somar aos trabalhos de coleta de recicláveis que já são realizadas pelas cooperativas no percurso principal da procissão. Por isso, as Ecoestações foram distribuídas nas ruas transversais. “Para Guamá, foi uma honra poder participar deste evento, que tem relevância grande para cultura do Brasil e do Pará e contribuir de forma positiva para o meio ambiente, para sociedade e para os catadores, que geram renda com esses recicláveis. Foi emocionante também ver na prática o engajamento dos voluntários e o resultado positivo da coleta para as cooperativas que participaram do projeto”, avalia Ana Rita Lopes, representante das áreas de Comunicação e Responsabilidade Social da Guamá Tratamento de Resíduos, que idealizou o projeto.

 

 

 

Para Alexandre Flores, gerente da Guamá, que opera o aterro sanitário de Marituba, o maior mérito do projeto foi retirar recicláveis das ruas para transformá-los em renda para os catadores e ser uma prática que pode ser multiplicada em outros bairros da Região Metropolitana de Belém. “A Ecoestação não deve ser um projeto pontual. Esperamos ampliá-lo no ano que vem para outros pontos das procissões e que possa inspirar moradores de outros bairros a também implantarem em suas ruas”, declarou.

 

 

 

O voluntariado fez a diferença para a operacionalização do Círio Sustentável, pois, além de orientar os devotos, também ajudaram os catadores a coletarem resíduos recicláveis em áreas próximas das Ecoestações. A maioria dos resíduos são de copos e garrafas de plástico. “Sempre fui aflita com o descarte inadequado dos plásticos no Círio. Percebi que este projeto teve uma boa aceitação, pois as pessoas que passaram por aqui ajudaram, descartando seus copinhos e garrafas”, comenta a voluntária Ana Caroline Ramos, que atuou na Ecoestação 6, que ficou na rua Dr. Moraes, próximo da avenida Nazaré. Ana é engenheira ambiental e faz parte da Rede Paraense de Educação Ambiental. 

Comentários 0