Postado em 26/07/2018 00:00

Operação renovada com investimentos tecnológicos

No primeiro ano de operação, a Unidade de Valorização Sustentável Guamá Tratamento de Resíduos (UVS Guamá Tratamento de Resíduos), que administra o Aterro Sanitário que atende três grandes municípios da Região Metropolitana de Belém (RMB), enfrentou desafios complexos: adversidades na implantação do tratamento de chorume; chuvas intensas, que impactaram na geração de maior volume de chorume, que precisou ser armazenado em lagoas. O chorume armazenado passou a despender gases com odor forte, gerando grande desconforto aos moradores de Marituba.

 As adversidades enfrentadas na fase inicial de implantação estão gerando aprendizados e aprimoramentos técnicos de operação, aplicados, diariamente, na solução dos atuais desafios. Uma equipe de especialistas, com a supervisão de interventores do Estado, empenha-se na constante busca de soluções para aprimorar o tratamento de resíduos e mitigar odores.

Foram investidos, desde a implantação do Aterro Sanitário em 2015, cerca de R$ 30 milhões em recursos tecnológicos para o controle de odores, monitoramento ambiental (água, ar e solo), melhorias na infraestrutura e no tratamento de resíduos.

 Foram identificados os pontos críticos causadores do odor. O primeiro passo foi a cobertura das lagoas, mitigando a dispersão do odor. Foi intensificada a cobertura diária da frente de operação com solo e manta dos resíduos, incluindo o suporte de mais máquinas e equipamentos, prevenindo infiltração de águas da chuva, garantindo estabilidade do maciço, evitando a dispersão de odor e reduzindo o volume de chorume.  

Com o suporte de 16 poços dentro do Aterro, é feito o monitoramento da qualidade das águas superficiais e subterrâneas e dos sedimentos dos igarapés, para evitar a contaminação do lençol freático.

Outro fator de controle do odor foi a instalação de 35 drenos verticais, que fazem a queima de biogás. Estas medidas contribuem para o controle da saída de odores. Ainda para a mitigação do odor, a empresa instalou um sistema de aspersores para minimizar o incômodo causado pelo mau cheiro.

Em 2018, a empresa também contratou um serviço especializado para medição do alcance de odores gerados, para ter indicadores como áreas de abrangência e horários de maior ocorrência. Essa iniciativa é realizada junto à comunidade local, por meio de um aplicativo de celular, e ajuda na tomada mais assertiva de decisões sobre novas medidas de combate aos odores.

 

Investimentos em tecnologias para aprimorar a operação do Aterro Sanitário  

Comentários 0